• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Trabalhadores do setor de transporte intermunicipal cruzam os braços nesta sexta(31)

Na segunda-feira (03) será a vez dos trabalhadores do setor de cargas

Publicado: 31 Julho, 2020 - 12h01 | Última modificação: 01 Agosto, 2020 - 00h15

Escrito por: Socorro Silva-CUT-PI

Reprodução
notice
Greve Geral por direitos conquistado

 

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Piauí (Sintetro) fortalece a luta dos trabalhadores dos setores de transporte intermunicipal e interestadual e de transportadoras de bens e materiais em todo o Piauí, que deflagraram greve. O movimento paredista foi aprovado por unanimidade pelos trabalhadores, durante assembleia geral extraordinária realizada na segunda-feira dia 27 de julho, na sede do sindicato.

Os trabalhadores do setor intermunicipal reivindicam a permanência do ticket alimentação, do plano de saúde, e que seja assinado o acordo da convenção coletiva de 2019.

Reivindicações dos Motoristas:

Transporte Intermunicipal:


Com informações do Secretário de Comunicação do SINTETRO-PI - Miguel Arcanjo:

"O sindicato dos rodoviários após várias tentativas de negociação com os setores interestaduais e intermunicipais, não foi fechado nenhum acordo, então foi realizada uma assembleia com os trabalhadores no dia 27 de julho, onde os mesmos decidiram por unanimidade por dar início a um movimento paredista nesses dois setores. O sindicato patronal se nega a sentar com o sindicato laboral para tentar uma negociação, os trabalhadores não estão pedindo nem reajuste, estão querendo apenas que se mantenha a convenção do ano de 2019, a garantia dos direitos adquiridos". Disse.

Miguel citou lamentar a situação "A gente lamenta ter que fazer greve, mas é o último recurso que a gente em, e não podemos deixar de usar essa arma, e como os empresários estão irredutíveis em mão querer negociar, a greve não é bom para ninguém, sabemos o transtorno que é causado aos usuários, mas não podemos abrir mão dos nossos direitos, são benefícios conquistados como ticket alimentação e o plano de saúde, a mais de décadas com muita luta, e que os empresários se negam a negociar". Concluiu.



Transportadoras: 

Os motoristas do setor de cargas decidiram durante uma assembleia realizada na terça-feira dia 28 de julho, na sede do sindicato  aprovaram também por unanimidade iniciar e manter a greve até que o presidente do sindicato dos empresários ligados às transportadoras assine um acordo, que garante 5% de reajuste salarial de forma linear, essa negociação foi fechada, A partir de 00:00h do dia 03 de agosto de 2020, a greve iniciará.

Miguel "O SINTETRO já havia sentado com o patronal do setor de cargas, havia fechado a convenção coletiva de 2020 com o reajuste de 5%, só que a mesma ainda não havia sido assinada, e após a convenção pronta e enviada para o presidente do sindicato das transportadoras,  que se nega a assinar. O que fica claro que há uma fuga do que foi acordado, nesse caso o reajuste de 5% linear para os trabalhadores. O patronal havia aceitado repassar o reajuste para a categoria, e agora deu para trás do que foi negociado. Então não tem outra saída, o setor de cargas, todos os trabalhadores do setor de cargas cruzarão os braços por tempo indeterminado, até que se resolva a situação". Disse.

O movimento paredista de greve iniciada nesta sexta-feira dia 31, as empresas que os trabalhadores cruzaram os braços foram: Líder, Trans Piauí, Expresso Barroso, Empresa Soares, Princesa do Sul, e a empresa Área Leão não rodaram. Já as empresas Expresso Guanabara e a Editur funcionaram normalmente. A Guanabara assinou o acordo coletivo.