• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Piauí, trabalhadores participam: lançamento do abaixo-assinado contra PEC 06

Reforma da Previdência de Bolsonaro é rejeitada pela maioria da sociedade Teresinense, por trazer ameaças a aposentadoria

Publicado: 04 Abril, 2019 - 20h35 | Última modificação: 05 Abril, 2019 - 10h03

Escrito por: Socorro Silva - CUTPI

Socorro Silva - CUTPI
notice

Em Teresina, nesta quinta-feira, dia 4 de abril, foi lançado o Abaixo Assinado Nacional em Defesa da Previdência Social e das Aposentadorias. Trata-se de uma iniciativa do conjunto das Centrais Sindicais, entre elas a CUT-PI, CTB, INTERSINDICAL, CSP-CONLUTAS, que também compõem o Fórum de Lutas Pelos Direitos e Liberdades Democráticas do Piauí, se reuniram na Praça Rio Branco, no centro da capital, com o objetivo de desencadear uma ampla mobilização popular contra a Reforma da Previdência, apresentada pelo governo Bolsonaro, ao Congresso Nacional.

Anestesiados e enganados pela intensa campanha do governo na mídia e nas redes sociais, nossos trabalhadores e trabalhadoras, e o povo brasileiro ainda não se deram conta do alcance da proposta que, se aprovada, significará o fim da esperança de tranquilidade e dignidade sua vida e seu futuro. Será o fim da aposentadoria como conhecemos hoje.

Socorro Silva - CUTPISocorro Silva - CUTPI 

Paulo Bezerra, presidente da CUT-PI "É preciso que a população tenha conhecimento da realidade do que significa a proposta da reforma da previdência, principalmente dos prejuízos que ela pode trazer caso seja aprovada, estamos vivenciando um momento agressivo, onde o governo retira direitos dos trabalhadores e não está satisfeito com a reforma trabalhista, e agora ataca a previdência e quer retirar definitivamente  o direito da aposentadoria do trabalhador, mesmo esse ao se aposentar terá um valor reduzido, obrigando inclusive a contribuição para trabalhadores rurais, e autônomos, aumentando a idade também, esse abaixo assinado é muito importante para que possamos dizer ao congresso nacional que nós não aceitamos essa reforma da previdência, que traga prejuízo para o trabalhador, especialmente aquele menos favorecido desse país, a classe trabalhadora aquela que é pior remunerada, é a mais atacada, dizendo isso conclamamos a todos (as) que possam se juntar a nós e venha fazer esse enfrentamento, é nosso papel, é nossa obrigação dizer não a retirada de direitos, e a todas as agressões aos (as) trabalhadores (as), essa previdência não pode ser reformada da forma como está, o governo tem que ter a capacidade de cobrar os devedores da previdência, o governo tem que ter a capacidade de fato de reduzir o número de desempregados, é de apresentar uma proposta que ele possa tirar o número de desempregados (as), e gerar empregos e renda, isso vale para aquele (a) que já está aposentado e que pensa que não vai ser atingido (a), isso é um engano, todas as aposentadorias que estão nesse pais terão uma redução, o reajuste, a desvalorização do salário mínimo tornam a aposentadoria com valores menores, essa é a proposta do governo Bolsonaro". Disse.

Durante a manhã foi montada uma barraca onde os (as) trabalhadores (as), e a sociedade tiveram a disposição uma lista de coleta de assinaturas contra a reforma da previdência, e em defesa da aposentadoria, onde todos (as) tiveram esclarecimentos, e também se posicionaram contra a PEC 06. As assinaturas coletadas serão entregues no Congresso Nacional na segunda quinzena de maio, segue abaixo o link do formulário da coleta de assinaturas. Imprima e peça a seus (as) vizinhos (as), parentes, amigos (as) e familiares para assinar, e entregue na CUT-PI, localizada na Rua Riachuelo 929, centro-norte-Teresina, próximo ao estádio Lindolfo Monteiro, ou no seu sindicato.

Socorro Silva - CUTPISocorro Silva - CUTPIOdeni de Jesus, vice-presidente da CUT-PI "Nós somos contra a reforma da previdência, porque ela tira o direito de nos aposentar, e nós precisamos passar esse esclarecimento para a sociedade, pois em si tratando de aposentadoria nós estamos falando das nossas vidas, das vidas da classe trabalhadora, da vida da sociedade, e para nós barrarmos essa reforma nós contamos com o apoio de todos (as), com essa proposta muitas coisas irão mudar em nossas vidas, nós temos um sistema hoje de previdência que não é só a aposentadoria, ela traz de acordo com a constituição vários direitos de proteção social, por exemplo,  o direito de ter o salário família, o auxilio doença, o auxilio maternidade, o auxilio de acidentes de trabalho, dentre outros, então a reforma da previdência retira essa proteção social da classe trabalhadora, e muitas outras retiradas que foram alcançadas por direito". Concluiu.

Socorro Silva - CUTPISocorro Silva - CUTPI

Formulário disponível em: https://www.cut.org.br/acao/abaixo-assinado-contra-a-reforma-da-previdencia-2cc0

A sociedade também deve se apropriar do “Aposentometro”, a ferramenta foi desenvolvida pelo Dieese e calcula como seria a aposentadoria da/o trabalhador/a hoje e como ficará caso a reforma seja aprovada. Este recurso é de fácil, e tem o objetivo de esclarecer as pessoas sobre os efeitos nefastos da proposta de reforma encaminhada pelo governo.

Aposentometro: https://www.cut.org.br/busca?busca=aposentometro

É colocada a disposição para maiores esclarecimentos de dúvidas a cartilha: Com a reforma da Previdência do Bolsonaro você não vão se aposentar! Ela contém informações sobre os pontos mais importantes da proposta do governo. Editada para caber no bolso do cidadão, a cartilha é outro instrumento a ser utilizado para esclarecer e mobilizar a população contra a maldita reforma.

Cartilha disponível em: https://www.cut.org.br/acao/abaixo-assinado-contra-a-reforma-da-previdencia-2cc0

Já barramos essa reforma no governo Temer e vamos conseguir novamente se trabalharmos com empenho redobrado e na certeza de que JUNTOS SOMOS FORTES!

A atividade faz parte do calendário de lutas das centrais sindicais e entidades que inclui um novo dia nacional de manifestações pelo Brasil no 1º de maio, dia do trabalhador.

 

 

 

carregando
carregando