• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Equatorial Piauí promove demissões de trabalhadores sem justa causa

A Luta continua firme contra a retirada de direitos, contra o retrocesso, não aceitamos

Publicado: 10 Julho, 2019 - 14h51

Escrito por: Fonte: Ascom-SINTEPI

Reprodução
notice
Urbanitários - Cepisa - Trabalhadores durante assembleia

Os trabalhadores da agora Equatorial Piauí estão alarmados com a onda de demissões na ex Companhia Energética do Piauí – Cepisa – que foi privatizada recentemente, provocando um verdadeiro clima de terror entre os trabalhadores, é o que afirma os dirigentes do Sindicato dos Urbanitários, que estão mobilizando a categoria para que a empresa não demita mais funcionários.

ReproduçãoReprodução

De acordo com o sindicato, a direção da empresa energética está dispensando funcionários sem nenhum critério, e o pior é que são trabalhadores que entraram recentemente na empresa através de concurso público.

Francisco Marques - Presidente do Sindicato dos Urbanitários: “Vamos questionar essas demissões imotivadas na Justiça, além de organizar um Ato contra essas demissões, a empresa tem priorizado a contratação de pessoas de outros estados, tirando o emprego de piauienses. O sindicato não concorda com essas demissões imotivadas, principalmente neste momento ruim para o Estado e para o país e demonstra grande preocupação, pois além das demissões de funcionários, a Equatorial promove o fechamento de agências da empresa em todo o Piauí, o que ocasionará um péssimo atendimento à população. O objetivo da empresa é que todos os usuários façam suas reclamações por telefone”, afirma Marques.

ReproduçãoReprodução

Quando a Cepisa foi privatizada, em 2018, havia 2.150 funcionários, aproximadamente. A Equatorial, empresa que comprou a Cepisa, fez um enxugamento nos quadros da empresa, restando 1.200 funcionários e as demissões continuam, com previsão de mais 400 até o final deste mês de julho, cirando todo um clima de terrorismo no ambiente organizacional entre os trabalhadores, fazendo com que muitos tenham inclusive crises de ansiedade, medo e depressão.

Marques cita ainda que “Não vemos com bons olhos estas demissões, pois além de prejudicar diretamente centenas de famílias, atinge a economia do nosso Estado e promove uma queda brusca na qualidade de um serviço estratégico e essencial para toda a população”, diz o presidente do sindicato, informando ainda que a entidade representante dos trabalhadores está mobilizando a categoria, as autoridades do estado, como também toda a sociedade para realização de um movimento de luta para evitar mais demissões.