• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT-PI se solidariza pela grande perda do companheiro João Felício - Presente!

Seu legado vai ficar registrado na história do mundo sindical

Publicado: 19 Março, 2020 - 10h41 | Última modificação: 19 Março, 2020 - 16h28

Escrito por: Socorro Silva-CUT-PI

CUT
notice
Nota de Falecimento

A CUT Piauí,  manifesta profundo pesar pelo falecimento do companheiro João Antonio Felício, ex-presidente da CUT Brasil, da APEOESP e da Confederação Sindical Internacional (CSI). O velório ocorrerá a partir das 10h, no cemitério do Araçá e seu sepultamento ocorre às 16h no mesmo local.

O professor João Felício tinha 70 anos e iniciou sua militância política e sindical em 1977. Foi fundador do Partido dos Trabalhadores (PT) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e era um grande defensor da educação pública e de qualidade e da democracia brasileira. Sob a sua presidência, a CUT liderou manifestações contra a flexibilização da CLT e levou mais de um milhão de trabalhadores e trabalhadoras às ruas, em 2002. Sempre esteve disponível para rodar o Brasil e ajudar todas as CUTs estaduais. João também foi o primeiro presidente brasileiro e latino-americano da CSI, entidade que representa mais de 180 milhões de trabalhadores no mundo. Portanto, sua partida é uma perda irreparável para a classe trabalhadora.

O seu legado continuará sempre vivo com muito carinho nas nossas lutas diárias. Aos familiares e amigos prestamos a nossa solidariedade.

 

João Felício, presente!

A DIREÇÃO DA CUT-PI

 

NOTA DA CUT NACIONAL NA INTEGRA SOBRE A GRANDE PERDA PARA O MUNDO SINDICAL:

João Felício teve sua vida dedicada a família, aos amigos, aos professores, aos trabalhadores brasileiros e à Classe Trabalhadora internacional. Sempre como líder exemplar.

Na infância, auxiliava o pai a nos afazeres do açougue. Sempre estudioso, formou-se como professor de Artes, casou-se com uma professora e militante, com quem teve os filhos que lhe deram muito apoio.

Atuando na APEOESP, atual Sindicato dos professores e professoras do Estado de São Paulo, além de relevante papel na luta pela reconquista da entidade e nas lutas por melhores salários e condições de trabalho para a categoria, foi presidente da entidade por três mandatos.

João Felício participou de todas as lutas pela redemocratização do Brasil, pela organização da CUT e pela organização do Partido dos Trabalhadores (PT). João priorizou mais o movimento sindical. 

João teve papel determinante na organização nacional dos professores através da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Educação). 

Foi presidente nacional da CUT, por duas vezes, sempre firme nas suas posições políticas sempre disposto a viajar para onde fosse necessário, organizando os trabalhadores do campo e das cidades em todo Brasil.

Foi o primeiro latino-americano a presidir a da CSI (Central Sindical Internacional), onde contou com o apoio de lideranças de todos os continentes. Percorreu a África, a América Latina, a Ásia, a América do Norte e a Europa. Em todos estes lugares, sempre há alguém contando uma história vivida com João Felício.

Além de enfrentar patrões e governos conservadores, João Felício também cobrou dos governos progressistas para que fizessem mais pelos trabalhadores e que também cumprissem a lei de pagamento do piso nacional dos professores.

João Felício venceu muitas batalhas...

Nos últimos anos, João teve que enfrentar um adversário perverso. Com o surgimento do câncer, João aos poucos foi mudando sua agenda, tendo que combinar a presença na sede da CUT, com constantes idas ao hospital onde realizava o tratamento da doença. Neste período, João Felício sempre agradeceu o apoio que teve da família e dos companheiros e companheiras sindicalistas.

Nos últimos dias, João dividia seu tempo entre o tratamento e a agenda sindical, permanecendo mais no hospital do que na CUT e, como se fosse em sua homenagem, João Felício partiu exatamente num dia posterior à Greve Nacional dos Professores, convocada pela CNTE e pela CUT.

João Felício partiu após ouvir o panelaço do povo brasileiro, contrário ao governo Bolsoraro, que representa uma das maiores tragédias antidemocráticas que o Brasil já teve. O panelaço serviu como música de despedida deste extraordinário guerreiro que foi João Felício.

A CUT, juntamente com todos seus militantes, dirigentes e amigos, agradece por tudo que João Felício nos deu. E conclamamos que sejam reproduzidas cópias desta nota em todo o Brasil e nas entidades internacionais.

São Paulo, 19 de março de 2020.

Sérgio Nobre – presidente

Carmen Foro – secretária geral