• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

A Greve da Educação continua no Piauí

A categoria está em greve há 11 dias

Publicado: 06 Março, 2018 - 18h32

Escrito por: Socorro Silva/Ascom/CUT-PI

Na manhã desta terça (6/03), foi realizada grande mobilização dos trabalhadores em educação no pátio da Secretaria Estadual de Educação (Seduc) como uma das atividades da greve da categoria, que forçou uma audiência com a secretária de educação, Rejane Dias e com o secretário de administração, Franzé Silva.

A mobilização levou centenas de servidores, ativos e aposentados, que protestam contra a forma unilateral do governo de implementar um auxílio alimentação “de fome” ao invés do reajuste previsto em lei, que é de 6,81%.

A categoria está em greve há 11 dias e reivindica: reajuste de 6,81% para todos os trabalhadores em educação, professores ativos, aposentados e funcionários de escolas; pagamento do reajuste de 3,14% para os funcionários de escolas referente ao ano de 2017; reajuste das gratificações e revisão do plano de carreira da categoria.

Segundo avaliação do SINTE-PI, a reunião foi produtiva no sentido de que é preciso entrar em um acordo de modo que atenda as reivindicações da categoria. Para a presidente do Sinte-PI, Paulina Almeida, “a nossa proposta é de reajuste de 6,81% para todos e todas, durante a reunião os representantes do governo se comprometeram em construir uma nova proposta para ser apresentada à categoria, o Estado já ajuizou a greve e pediu sua ilegalidade, porém o sindicato ainda não foi notificado sobre esta questão. A audiência no Tribunal de Justiça está agendada para dia 14 de março”. Disse.

“Estamos esperando que o governo apresente uma proposta que atenda os trabalhadores da educação, ativos e aposentados, nesta audiência. A categoria está indignada com a implantação do auxílio alimentação que foi rejeitado pelos trabalhadores (a) durante assembleia”, Citou Paulina Almeida.

Paulina Almeida convidou a todas as Mulheres e Homens presentes para participar do Dia 08 de março “faremos uma manifestação em defesa da luta das mulheres e da greve dos trabalhadores em educação, a partir das 8h na Praça Rio Branco”. “Esperamos neste ato anunciar a data da próxima assembleia geral da categoria para decidirmos os rumos da greve”, finalizou Paulina.

Servidores da educação afirmam que tentam diálogo com governo desde novembro e esperaram por 4 meses até o início da paralisação.

FONTE:SINTE-PI

carregando